Páginas

Assista nossos programas:

quarta-feira, 29 de maio de 2019

EMPRESÁRIO RESGATA CÃO DURANTE VOO COM DRONE

A atitude de alguns seres humanos é incomparável com o que se pode considerar monstruosidade. Abandonar um animal indefeso, amarrado em um local ermo, exposto ao tempo, incluindo o sol forte, a chuva, sem água ou comida, é a maior demonstração de crueldade que uma pessoa poderia cometer, chegando a superar o requinte da crueldade.

Essa história, graças ao empresário Wanzan, proprietário da WanzamHobby e seus amigos, teve um final feliz, mas ao mesmo tempo registrou a que ponto nós humanos estamos longe de nos considerarmos uma geração de seres evoluídos.

Enquanto nos deparamos com cenas lindas de animais que cuidam e distribuem amor aos seres humanos e até a outros de especies tão diferentes das suas, temos que engolir seco as atrocidades cometidas pelos humanos que pensam que são racionais.

Numa bela tarde em que o empresário Wanzan e seus amigos faziam uma pequena viagem, resolveram parar seu veículo e fazerem um sobrevôo de Drone. O que era para ser um passeio aéreo em busca da filmagem de um monumento de avião, acabou resultando num salvamento com final feliz. Porém, quero fazer o convite para que você assista essa emocionante história e curta o vídeo desses rapazes que nos ajudaram a resgatar um pouco da fé na espécie humana.

A nossa gratidão a todos os anjos que não medem esforços para ajudarem todos aqueles que precisam. Deus os abençoe.

Agora curtam esse vídeo porque vale a pena.

sábado, 13 de abril de 2019

Coelho não é presente de Páscoa



Criação em gaiolas é prejudicial à saúde e bem-estar da espécie


Assim como ocorre com cães e gatos, ter um coelho como animal de estimação não pode ser uma decisão de momento, atrelada a uma data comemorativa. De acordo com médicos-veterinários, antes de adquirir um pet, as famílias devem avaliar cautelosamente se possuem estrutura, orçamento e rotina que permitam criar, com bem-estar e saúde, esse animal que vive de seis a dez anos em ambiente doméstico.

Um dos erros mais comuns entre as pessoas que optam pela espécie é a criação em gaiolas, o contribui para o surgimento de problemas de saúde e comportamentais. Isso porque os coelhos são roedores e saltadores e têm necessidades que não são supridas em recintos pequenos e restritos.

Gaiolas geram sofrimento

A médica-veterinária Cristina Maria Pereira Fotin, membro da Comissão de Médicos-Veterinários de Animais Silvestres do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP), explica que deixá-los em gaiolas causa sofrimento, uma vez que impede que eles se movimentem e locomovam atendendo à sua natureza.

“Os coelhos podem apresentar problemas nas articulações, obesidade e desvios de comportamento, como lambeduras que levam a problemas de pele”, ressalta Cristina, que indica a necessidade de um viveiro, com área para tomar banho de sol e abrigo para que o animal possa se recolher para descansar ou se proteger de algo que possa assustá-lo.

Presidente da Comissão de Bem-Estar Animal do CRMV-SP, a médica-veterinária Cristiane Schilbach Pizzutto enfatiza que os coelhos sentem bastante medo, o que está atrelado ao instinto da espécie que, em vida livre, é presa de diversos outros animais. “Isso pode dificultar a adaptação, dependendo da rotina da casa”, diz ela, que comenta que esse fator contribui para reações como mordeduras que podem causar ferimentos nos tutores, embora eles costumem ser dóceis quando criados desde filhotes.

Particularidades

O ambiente do animal também deve contar com madeira para que possam roer, outro comportamento inerente à espécie. “É indicado deixar à disposição do animal pedaços de troncos ou galhos de laranjeiras, goiabeiras ou de outras árvores frutíferas, sempre in natura, nunca madeiras envernizadas”, menciona Cristiane.

A alimentação é outro tópico que merece atenção, pois nem só de ração vive um coelho. Folhagens com talos, frutas e legumes devem fazer parte da dieta, a qual precisa ser definida com orientação de um médico-veterinário.

Abandono

Por não se atentarem às necessidades específicas dos coelhos antes de adquiri-los como pets, muitas famílias acabam negligenciando nos cuidados e, pior, abandonando o animal, o que configura crime, previsto na Lei Federal nº 9.605/98 (Lei de Crimes Ambientais).

A situação é bastante grave, uma vez que os animais não conseguem se alimentar e acabam desidratados e desnutridos. “É comum que ao menos um coelho seja encontrado em áreas verdes das cidades após a Páscoa”, lamenta o presidente da Comissão Técnica de Médicos-veterinários de Animais Selvagens do CRMV-SP, médico-veterinário Marcello Schiavo Nardi.


Sobre o CRMV-SP

Com mais de 37 mil profissionais registrados, o CRMV-SP é o órgão de fiscalização do exercício profissional dos médicos-veterinários e zootecnistas do Estado de São Paulo. Tem como missão promover a Medicina Veterinária e a Zootecnia, por meio da orientação, normatização e fiscalização do exercício profissional, em prol da saúde pública, animal e ambiental, zelando pela ética. Além disso, auxilia os poderes públicos, em nível nacional, estadual e municipal, nos assuntos relacionados às categorias profissionais que representa.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

TAPETE DUO-DIA PARA CÃES PERMITE A UTILIZAÇÃO POR ATÉ 12 VEZES

Com alta absorção, pode ser utilizado até 12 vezes sem risco de vazamentos

Para os tutores de cães, alguns comportamentos dos animais acabam se tornando um desafio. 
É comum os donos comentarem do trabalho que é adestrar o pet para urinar em um determinado ponto. Isso porque a urina, além de ser uma necessidade fisiológica, é também o modo com que os cães marcam seu território em vários pontos na residência. Esse comportamento acaba se tornando cansativo para os seus tutores, que precisam limpar cada ponto marcado pelo pet, e isso requer tempo e uso de produtos de limpeza especializados. O mesmo acontece com as fezes, muitas vezes o animal não associa o lugar destinado para as suas necessidades.

Atenta a essa necessidade, a PetMais apresenta uma alta evolução no tapete higiênico Duo-Dia. Famoso por oferecer o melhor custo-benefício do mercado, o produto possui atrativo canino, que estimula o cão a fazer suas necessidades no local correto. O novo formato do tapete passa a ter as medidas de 85 x 60, que abrange uma maior cobertura e colabora, dessa maneira, com o dia a dia dos tutores.

O Duo-Dia permite a utilização por até 12 vezes, sem riscos de vazamentos. Sua absorção é rápida e impede a proliferação de odor e insetos. Seu design foi elaborado para facilitar a absorção. Feito em celulose recilada e com fitas adesivas para fixação é indicado para todos os portes de cachorros.

“A PetMais busca atender as necessidades dos tutores de animais, que procuram por facilidades diante da correria diária. O Duo-Dia é um tapete consagrado da marca por facilitar o convívio entre humanos e seus cachorros. E percebemos que era possível melhorar a qualidade aumentando suas medidas e mantendo o preço justo”, declara Odir Filho, diretor da PetMais.

Disponível nas principais redes de Pet Shops a embalagem vem com 30 unidades e custa R$ 57,30.


Sobre a PetMais


A PetMais está presente no mercado de produtos de higiene para animais de estimação há 18 anos. A marca conta com mais de 200 itens em seu portfólio que facilitam o dia a dia entre tutores e seus pets. A PetMais se importa com a relação entre os tutores e animais de estimação, e apresenta produtos para facilitar esse convívio.

Para mais informações acesse: http://www.petmais.net/

segunda-feira, 25 de junho de 2018

Ração de pets aproveita 2,5 milhões de ton de alimentos que seriam descartados


Indústria utiliza farinha de trigo, milho e arroz quebrados com nutrientes e que são desprezados pelo aspecto visual

Brasília (25/06/2018) - Mais de 2,5 milhões de toneladas anuais de alimentos que seriam descartados por ano são aproveitados na fabricação de ração. A indústria de pet food utiliza farinha de trigo, milho e arroz quebrados na composição de alimentos para animais domésticos, desde que estejam preservados os níveis adequados de proteínas, vitaminas e minerais.

“É um importante papel da indústria de pet food esse aproveitamento de matéria prima, desprezado pelo consumidor apenas pelo seu aspecto visual. É o que chamamos de sobra de mesa”, diz o engenheiro agrônomo José Edson Galvão de França, presidente da Câmara Setorial de Animais de Estimação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e da AbinpetT (Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação).

Da composição de 90% a 95% da ração, 60% é composta por grãos, e entre 25% e 30% são de origem animal. “Estamos aproveitando o que seria inservível e produzindo alimentação balanceada para os animais, evitando doenças e contribuindo com a qualidade de vida das famílias”, observa França.

E esses produtos contribuem para movimentar a economia. Mais de 132 milhões de animais de estimação vivem em lares brasileiros, segundo dados do IBGE, fazendo com que o segmento de produtos pet fature R$ 20,37 bilhões, o equivalente a 0,38% do PIB (Produto Interno Bruto). O dado é do ano passado, quando o crescimento foi de 4,95% sobre 2016.

Para alimentar e cuidar dos pets, a cadeia de produção e serviços do segmento inclui, além de pet food (alimentos), pet vet (produtos veterinários), pet care (equipamentos, acessórios, produtos de higiene e beleza animal) e pet serv (serviços). Pet food lidera o faturamento, tendo representado nos últimos anos quase 70% desse mercado, formado por 52 milhões de cães, 38 milhões de aves, 22 milhões de felinos e 18 milhões de peixes.

No mundo, o Brasil ocupa o quarto lugar entre os maiores criadores de animais domésticos. Em primeiro lugar, está a China (289 milhões), depois Estados Unidos (226 milhões), e o Reino Unido (146 milhões). A população mundial é de 1,56 bilhão.

Os Estados Unidos lideram a produção para atender o mercado (42,2%), seguidos pelo Reino Unido (5,8%). O Brasil é o terceiro maior produtor com 5,14%. A produção brasileira de 2,66 milhões de toneladas é direcionada especialmente para atender ao mercado interno, mas a exportação, que tem aumentado a cada ano, atingiu em 2017 US$ 210,1 milhões.

As famílias e seus animais de estimação movimentam as finanças de 33,1 mil pet shops, 80 mil pontos de vendas e 700 mil empregos.

“O brasileiro não deixa de comprar os produtos, mesmo em momento de crise econômica”, segundo França. As necessidades básicas do pet são incluídas no orçamento doméstico. Mas o aumento de volume de negócios, em 2017, foi influenciado por produtos mais baratos. O que se explica em função da criação de animais de estimação estar concentrada nas classes C e D, que normalmente têm maiores perdas de renda nesses períodos mais difíceis da economia.

Manual Pet Food

A Associação presidida por França é referência técnica para informações sobre a indústria e o comércio de animais de estimação. Duas publicações são fontes de consulta. O Painel Pet coleta dados atualizados das empresas. O Manual Pet Food Brasil é um guia de boas práticas utilizado por fabricantes de alimentos. O manual contém informações sobre padrões técnicos e de qualidade de matérias-primas, parâmetros nutricionais, metodologias analíticas e condições ideais de produção para garantir alimentos seguros. A periodicidade é bienal. A versão online está disponível no site da Abinpet: http://www.mflip.com.br/pub/abinpet/index3/

sábado, 10 de junho de 2017

Brasil ganha primeiro cachorro sintético para aulas de veterinária que elimina sacrifício animal


















Modelo fornecido pela Csanmek e adquirido pela Faculdade das Américas segue a tendência mundial de acabar com o uso de cadáveres em salas de aula


O curso de medicina veterinária da Faculdade das Américas (FAM) é o primeiro no Brasil a utilizar modelo canino sintético para aulas de anatomia, fornecido com exclusividade pela empresa brasileira Csanmek, especializada em sistemas e soluções para o mercado educacional. A aquisição segue a tendência mundial de eliminar o sacrifício e o uso de animais em salas de aula.

Chamado de Syndaver Canine, o cachorro sintético será utilizado para simulações cirúrgicas e treinamentos de habilidades. O modelo é desenvolvido com textura e densidade similares às estruturas anatômicas reais e contém todos os sistemas e órgãos do corpo canino, permitindo a realização de cirurgias, dissecações, entubações e demais procedimentos veterinários.

O cachorro sintético integra o sistema multidisciplinar da FAM para o ensino da veterinária e será utilizado junto com a Plataforma 3D de simulações de anatomia, desenvolvida pela Csanmek. O equipamento funciona como uma mesa que exibe modelos tridimensionais altamente detalhados e anatomicamente corretos de todos os sistemas do corpo canino, que permite aos alunos realizar dissecações virtuais e ter acesso a locais que dificilmente teriam em um cadáver real.

O simulador 3D utilizado na FAM possui ainda uma ferramenta de integração entre hospitais e salas de aula e oferece aos alunos a possibilidade de estudar casos clínicos e exames reais de animais, pois permite que os professores convertam tomografias e ressonâncias magnéticas em 3D, com acesso total e irrestrito a anatomia real.

“Todos os anos, milhares de animais são sacrificados para o ensino. Essa tecnologia foi desenvolvida para reduzir esses números e modificar esse cenário, pois o simulador cirúrgico permite que os alunos utilizem um modelo realístico com todos os sistemas e órgãos na mesma coloração e densidade do real”, comenta Claudio Santana, fundador da Csanmek Tecnologia.

“Apesar de ser um equipamento para educação, a plataforma 3D também é utilizada por médicos e profissionais da saúde no dia a dia, para melhorar o aprendizado e compreensão das estruturas anatômicas reais e modeladas, e, junto com o Syndaver Canine, formou-se o cenário ideal", conclui Santana.

Sobre a Csanmek (http://www.csanmek.com)

A CSANMEK é uma empresa brasileira que surgiu com a missão de ser referência em novas tecnologias de simulação, para auxiliar as técnicas educacionais no uso das metodologias ativas. Desenvolve ferramentas e projetos educacionais para suporte aos docentes e discentes, visando melhor qualificação para futuros profissionais das diversas áreas da saúde. Com dois anos no mercado, a empresa atua no desenvolvimento de soluções para atender as necessidades das instituições de ensino, trazendo sempre o que há de melhor no mercado mundial.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Startup localiza pet shops e veterinários para donos de animais gratuitamente




Plataforma oferece catálogo virtual de lojas e profissionais especializados em animais de todo Brasil e cupons de desconto para diversos serviços

Ser dono de um animal de estimação não é tarefa das mais simples. Cada raça e espécie precisa de um cuidado especial, uma ração de qualidade, um cantinho confortável para poder descansar, brinquedos para se distrair, entre outras coisas. Com tudo isso, fica complicado encontrar um local que tenha todo o necessário para a qualidade de vida do bichinho. Porém, a startup PetZap (www.petzap.com.br) chega para solucionar esse problema, colocando o usuário a apenas um clique de serviços para pets em sua região.

A plataforma é exclusiva para o segmento de pets, mostrando a localidade de cada pet shop e serviços relacionados próximos ao dono do animal, além de reunir cupons promocionais exclusivos, prometendo deixar a tarefa de ser um “pai” ou uma “mãe” ainda mais fácil e sem pesar no bolso do consumidor.

Já por outro lado, a PetZap objetiva deixar os pet shops e profissionais de animais, tais como veterinários, banho e tosa e etc, ainda mais atraentes, com um lugar específico para que seu marketing seja feito, disponibilizando bônus e cupons de descontos para novos clientes, fazendo assim a fidelização do seu consumidor.

“Queremos facilitar a vida dos donos de animais de estimação e dos prestadores de serviços com um negócio extremamente atraente para ambos. Por um lado, é uma ferramenta de marketing online com alto poder de conversão, atingindo potenciais consumidores, possibilitando também que prestadores de serviços atraiam e fidelizem novos clientes, anunciando descontos atraentes na plataforma. Os cupons vão além de descontos no valor dos serviços, bem como bônus oferecidos tais como: vacinas, banho e tosa e etc ”, explicou João Junior, que, juntamente com a médica-veterinária Andressa Leone e o também sócio Jean Bernardo, fundou a PetZap, unindo a tecnologia e o perfil do mundo animal em um só lugar.

“O funcionamento do site é simples. Com apenas um clique, o usuário pode fazer uma busca por serviços pets próximos e escolher o que prefere, e com um rápido cadastro, ele terá acesso a promoções exclusivas oferecidas pelos prestadores de serviços de sua região”, afirmou Jean Bernardo, cofundador da plataforma.

Para empreendedores - Com planos de divulgação diferentes, desde gratuitos até os mais completos, os profissionais pets possuem uma forma simples e eficiente de divulgar o seu negócio através do PetZap, facilitando para que a sua presença online seja realizada e firmada através da plataforma. Além disso, o marketplace permite a divulgação de bônus e cupons de desconto, sendo uma forma eficiente de fidelizar o seu cliente.

Previsão de crescimento - O setor pet deverá atingir um faturamento de R$ 19,2 bilhões até o final de 2016, de acordo com previsões da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet). Trata-se de um crescimento de 6,7% em comparação a 2015.

“O mercado pet brasileiro é o segundo maior do mundo, ficando atrás apenas dos Estados Unidos e há ainda muito espaço para crescer. O segmento tem apresentado números positivos apesar da recessão econômica”, concluiu Jean Bernardo.

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Magnus lança linha de Alimentos Úmidos em Sachês com embalagem exclusiva para gatos e cães de pequeno porte ou filhotes





Sempre inovando no mercado pet, a Magnus acaba de lançar a sua linha de Alimentos Úmidos em Sachês - produto Premium em pedaços com molho. A novidade chega ao mercado em duas opções de embalagem: na tradicional de 100g; e também no inovador tamanho de 85g, voltado para gatos e cães de pequeno porte ou filhotes.

As embalagens menores fogem do padrão de mercado, que apresenta os alimentos úmidos apenas em sachês de 100g, independentemente do tamanho ou idade do animal. “As nossas áreas de desenvolvimento e qualidade de alimentos são totalmente focadas na saúde dos animais. Verificamos que a quantidade de alimento úmido para esses tipos específicos de pet deve ser menor para garantir a boa nutrição e qualidade de vida e, por isso, inovamos com esse novo padrão”, explica Valéria Salustiano, responsável pela Gestão de Qualidade da Magnus.

A linha de Alimentos Úmidos e Sachês da Magnus conta com os sabores Carne, Cordeiro, Frango e Frango com Legumes, para os cães, e Carne, Salmão e Frango, para os gatos.

As novidades já estão disponíveis nos principais petshops, agropecuárias, clínicas veterinárias e supermercados do país.

Mais informações www.magnuspremium.com.br